quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Venezuela

Um dos argumentos de quantos, por esse mundo fora, defendem o sistema "bolivariano" de Chávez e do seu "genérico" Maduro é a muito duvidosa qualidade política da oposição mais visível, a começar por Caprilles e outras figuras muito pouco recomendáveis. De facto, é sobejamente sabido que, na barricada anti-governo, se escondem linhas políticas sinistras, saudosas das ditaduras latino-americanas de direita.

A questão, porém, está mal colocada: a alternativa a Maduro, por muito que a atual oposição seja o que é, é a democracia, são eleições livres, vigiadas internacionalmente, com ampla liberdade nos "media". Essa é a única agenda que a comunidade internacional tem legitimidade para recomendar. Depois, logo se verá quem o povo venezuelano quer à frente do país. E, no passado, já ficou provado que há mais Venezuela para além do autoritarismo nos dois lados. Resta saber se o bom-senso ainda pode ter por lá uma oportunidade.

13 comentários:

Anónimo disse...


Mas.... a Venezuela ainda não é um país intervencionado por desacatos humanitários. Se calhar lá chegaremos e então poder-se-à fazer eleições normais.
Mas na América do Sul, tal como sabemos agora na do Norte, as eleições são pouco normais.
É sempre um problema de marérias primas tais como o capital intelectual e produtos estratégicos.

Anónimo disse...

uma questao mais ou menos relacionada...

porque é que portugal nao usou o artigo 4 da nato aquando da tomada de goa pela entao uniao indiana?

Francisco Seixas da Costa disse...

Ao Anónimo das 2:59. Deve estar a referir-se ao Artigo 5°. Portugal não o podia invocar porque os territórios extra-europeus de Portugal não eram cobertos pelo Tratado de Washington

Joaquim de Freitas disse...

Se a oposição, aquela mesma que provocou um golpe de Estado contra Chavez, aquela mesma que lança as suas « tropas de choque » violentas nas ruas das cidades e vilas, aquela mesma que incendiou locais de voto e urnas, que tudo fez para amedrontar os Venezuelanos para não ir votar, aquela mesma que fez apelos não discretos aos EUA para interferir, aquela mesma que perdeu, no passado, as várias eleições perfeitamente livres contra Chavez, aquela mesma que compreendeu que ao conceder a cidadania aos Negros e Índios, que são a larga maioria da população venezuelana, Chavez obteve a sua maioria, como Lula com os famélicos do sertão, e os pequenos brancos miseráveis das periferias das grandes cidades, aquela mesma que na realidade só tem esperança num golpe de Estado do Exército para recuperar o poder pedido em 1998, se esta oposição estivesse interessada em eleições livres não fazia o que fez nestes últimos meses.

A leitura dos media “grande publico” no mundo é que Maduro afama o povo e é ditador…
A oposição seria pacífica…

Estes media podiam, se quisessem informar objectivamente a opinião pública, contextualizar a história social deste país, quando Chavez chegou ao poder, com um programa social no quadro do que viria a ser “a revolução bolivariana”.
Dotou imediatamente a Venezuela duma nova constituição e uma assembleia constituinte. A partir de 2003 começou a investir as rendas do petróleo em programas sociais: - alfabetização, ensino, e cuidados de saúde gratuitos para milhões de pessoas, seja mais de metade da população.
Começou uma redistribuição inédita das riquezas e via no socialismo a via a seguir para erradicar a pobreza e para mais justiça social.

O Senhor Embaixador sabe melhor que eu, que não é isto o que as classes que possuíam tudo desejavam. Que os “invisíveis”, como chamam aos Negros e aos Índios possam ditar a lei é coisa inaceitável para elas.
Aliás, é a mesma reacção nos EUA, com a Obamacare que Trump procura eliminar. A direita prefere dividendos e os pobres que morram.

Quando, Chavez lança o projecto da ALBA , é a cereja em cima do bolo… Este homem tem de ser abatido. Finalmente foi embora sem ajuda de ninguém. Mas um projecto de desenvolvimento latino-americano, social e económico, sem os EUA, fez tremer de raiva os grandes vizinhos do norte.
Uma alternativa socialista ao neo liberalismo ? Isso nunca.

Mas o Senhor Embaixador tem razão: - eleições livres são a solução. Mas Caprilles e os seus mandatários não as querem, porque conhecem o resultado. Senão veja, por favor :- organizaram uma eleição paralela, inconcebível no mundo da democracia, obtiveram 7 milhões de votos (?) sobre 38 milhões de eleitores…destruíram as listas de votos e os votos??? Nenhum controlo.

Não devemos esquecer que Allende foi eleito democraticamente, em eleições perfeitamente livres. Conhecemos o resultado.

O carisma de Chavez desapareceu, as rendas do petróleo caíram de metade, os ingredientes para destabilizar o socialismo estão reunidos. Basta organizar a penúria de alimentos, manifestar e assassinar nas ruas, com a ajuda dos mercenários para militares do país vizinho, o país ingovernável, e voilà ; o fruto está pronto a cair…E é isso que a oposição pretende. Nada mais.

Anónimo disse...

Curioso que o embaixador abra o texto a referir um dos argumentos usados em defesa do sistema bolivariano: a qualidade sinistra da oposição venezuelana (que inclui Capriles, um candidato presidencial que fez o elogio de Pinochet). E que até concorde em boa medida

Vejo televisão, leio jornais e não tenho dado por esse ponto de vista, tirando num par de comentadores - os ligados ao PCP e Boaventura Sousa Santos. De modo geral, a estes tenho-lhes apanhado mais as posições na net do que nos OCS, onde surgem apenas de posição caricaturada e insultado por comentadores como JM Tavares.

A Venezuela não tem condições para prosseguir o caminho de confronto que tem estado a ser seguido. Mas de parte a parte. Possivelmente precisa de soluções de salvação nacional convergentes. E não do extremar com atentados bombistas de um lado e detenções nocturnas de outro.

Há algum motivo para que os OCS portugueses só nos dêem um lado a ver? A oposição venceu as últimas eleições para o parlamento, mas um bocado antes Maduro venceu as presidenciais. E desde essa altura não passou um dia sem ser ruidosamente contestado nas ruas e nos OCS.

Faz lembrar um certo ambiente golpista de que por cá também nos queixámos, com desfiles de banqueiros e etc. E não há muito tempo.

Augie Cardoso, Plymouth, Conn. disse...

A testar, na Venezuela, novos limites de como um partido socialista consegue levar um pais Rico a falencia.....

Anónimo disse...

Há "intelectualoides" comunas que, com o seu tom forçadamente professoral nos tentam fazer crer (eles, os comunas, são gente que crê muito e pensa pouco), que um regime comandado por um tipo que se veste como um palhaço (agora, também usa casacos à chinesa - como o Savimbi usava), que fala com passarinhos e proclama à nação que a cara do anterior "grande líder" apareceu numa parede do Metro, pode ser um regime honesto e credível e não uma fantochada populista a explorar a falta de educação e até a boçalidade da maioria de uma população.

Estes comunas chamam guerrilha às manifestações da oposição mas aplaudem a guerrilha terrorista das FARC na Colômbia (até a convidam para a Festa do Avante).

Estes comunas chamam terrorismo à luta pela liberdade da oposição venezuelana mas, depois, babam-se com os movimentos antiglobalização que põem a ferro e fogo as ruas das grandes cidades europeias e americanas - regimes pacíficos e democráticos onde até os comunas têm existência e proteção legal.

Estes comunas, passam a vida a falar do capitalismo, dos banqueiros, dos bandidos, mas, se os capitalistas, se os banqueiros e ladrões forem de uma ditadura canalha nascida de um partido comuna, aí, já não dizem nada ou defendem-nos (ANGOLA!!!)

Estes comunas chamam fascista ao maluco do Trump, eleito em eleições justas e democráticas mas consideram nojentos ditadores como o louco da Coreia "grandes democratas".

Os comunas são assim. Há quem ainda se dê ao desplante de elogiar o seu papel "na construção da democracia". Há inocentes em todo o lado, já se sabe. A sorte dos nossos é que, nas democracias, os inocentes vão sobrevivendo às suas palermices; nas ditaduras, tendem mais a morrer...

Anónimo disse...

Parei de ler quando o anónimo 4 de agosto de 2017 às 14:53 afirmou "que um regime comandado por um tipo que se veste como um palhaço".

O argumento é digno do polícia da moda da CM TV e já se espera que um tipo que quer ditar o bom gosto e quer meter-se naquilo que os outros vestem é um perfeito exemplo de democrata. Não se cure, não.

Joaquim de Freitas disse...

Senhor Augie Cardoso : Está a pensar de certeza no Iraque, país capitalista, fabulosamente rico antes de 2003, hoje na falência absoluta, completamente destroçado, vivendo uma guerra civil sem fim. E ocupado por estrangeiros.

A não ser que pense na Líbia, exactamente a mesma descrição.

Devia mudar a sua frase e escrever antes; Países ricos muito endividados, países pobres muito endividados. O capitalismo ainda seria viável? O capitalismo não seria o problema?

O campeão todas categorias dos países ricos muito endividados são os EUA, o país onde o Senhor vive, graças ao nosso crédito, o crédito do mundo inteiro.

Quando Barack Obama chegou à Casa Branca em 2009, a dívida pública era de 10.600 biliões de dólares. Quando partiu era de 20 000 biliões.

patricio branco disse...

a venezuela das arepas, a venezuela das cachapas, a venezuela das hallacas, pois mas agora é dificil, harina pan só no mercado negro e frequentemente falsificada, dizem.
um pais de humoristas e satiristas, as canções de simon diaz, caballo viejo, as praias caribeñas, cipriano castro, perez gimenez, caracas, a grande cidade, com autopistas, prédios magnificos, 30 andares, o ávila, bela montanha, bons restaurantes de portugueses e espanhois, a moeda é o bolivar, um € não sei quantos são, o santa maria com galvão e sotomayor parou lá, o match deu uma reportagem com galvão de smoking cheio de charme dando uma recepçao aos passageiros.
perez, chavez, maduro, bolivar, o libertador, gabriel garcia marquez e o general en su laberinto, ao lado está trinidad tobago, curiosas ilhas que gostaria de visitar, pois, clima de altitude, tambem insegurança, o punho no ar, as misses universo ou mundo, muitas, telenovelas, dora mazzone, as perreo na praia com cervejinha muito fria, é só por o youtube, dificil a situação agora, mas nas caraibas...etc etc etc

Anónimo disse...

O sofisticado "4 de agosto de 2017 às 17:01" é mais do tipo candidato macaco...

Anónimo disse...

caro embaixador o comentario do artigo 4 foi confusão minha com o que aparece citado nestes domcumentos acessiveis (do FOIA freedom of information act)

https://www.cia.gov/library/readingroom/docs/CIA-RDP79R00890A000300050004-5.pdf
https://www.cia.gov/library/readingroom/docs/CIA-RDP80R01443R000300010002-7.pdf

cumprimentos

Anónimo disse...

(obrigado pela sua resposta)